Skip to content

O Instituto Bio

O Instituto BIO nasceu em 2010 de um sonho da advogada e BioChef Carol Barros, a Karuka, que aos
dez anos de idade já sabia que ética e altruísmo estariam no coração de suas ações e que o alimento seria o motor propulsor desse propósito.

Inspirada por saberes milenares de respeito e gratidão ao alimento que nos sustenta e sua origem, o Instituto BIO atua sob o guarda-chuva da Bio Culinária – para garantir a ação ética e altruísta de ponta a ponta na cadeia que rege e alimento.

● Oferecendo apoio técnico e jurídico ao agricultor, tornando-o capacitado a abraçar o compromisso da produção de orgânicos e as práticas solidárias nas relações humanas e com a natureza.
● No treinamento e capacitação através da prática da culinária consciente e do servir com Amor e Arte.
● No compartilhamento desse conhecimento através de cursos e retiros, para que as pessoas possam fazer da alimentação consciente uma aliada no caminho do autoconhecimento e autocura.

O Instituto BIO é, ainda, um ponto de contato para que possamos compreender, através da prática e do conhecimento, importantes termos, idéias e conceitos que nos ajudam na construção de uma vida mais harmoniosa, plena e feliz: compaixão-altruísmo-bondade.

Agroecologia, biodinâmica, biodisponibilidade. Orgânicos, Comércio Justo, Economia Solidária, Agricultura Familiar… Sustentabilidade.

Finalmente, em 2018, o BIO formaliza-se como Instituto, uma associação de agricultores e BioChefs, sem fins lucrativos, após longo período atuando como empreendimento de economia solidária reconhecido pelo Ministério do Trabalho.

O Instituto BIO traz um trabalho de raiz, com origem e história. (saiba mais em “biografia”)
Todos têm Direito ao Alimento LIVRE: liberto dos agrotóxicos ou qualquer outro elemento nocivo à saúde da terra e de quem o consome e ao respeito a dignidade da pessoa humana e dos animais.

BIO é também a sigla de Brazilian Institute of Organics, demonstrando seu interesse em cooperação internacional para atingir sua missão.

#abrace #participe #compartilhe

A idealizadora

Carol Barros – biografia

Karuka, o que você quer ser quando crescer? Perguntou a mãe à filha de dez anos, de cabelos e olhos negros brilhantes, daqueles que têm sede para os despertares da vida e seus porquês. Carol respondeu de forma direta, simples e faceira, feitios que a caracterizam até hoje: “Quero trabalhar no Eco Mercado e escrever para o Eco Jornal”.

Sua visita à ECO’92 serviu como um guia para seus propósitos de vida dali pra frente. “Nessa época havia um Eco Mercado em Botafogo, na altura da Pinheiro Machado. Era doida por aquilo lá. A partícula “Eco” sempre reverberou forte dentro de mim. Hoje posso dizer que realizei meu sonho de criança”, diz com seu contagiante sorriso festivo.

Carol Barros começou abraçando o Direito, graduando-se pela Universidade Federal Fluminense-RJ, com especialidade em sustentabilidade integral. Tornou-se, em seguida, Educadora Alimentar e Livre pesquisadora em alimentação consciente e desintoxicação integral.

Em 2010 idealizou o Instituto BIO, um conceito de organização não governamental fullservice voltada para o fortalecimento da agricultura familiar por meio da agroecologia e da culinária consciente, e do acesso da população aos orgânicos, apoiados nos pilares do Comércio Justo e da Economia Solidária.

Como resultado desse trabalho de longa e contínua construção, fundou, em 2013, o primeiro projeto, o BioEscritório, na cidade serrana de Teresópolis-RJ. O projeto nasceu da necessidade pessoal de transitar para alimentação orgânica e perceber o grande paradoxo brasileiro.

“Somos um dos maiores produtores orgânicos para consumo deste planeta, porém enfrentando muitas barreiras burocráticas para que cheguem aos mercados, o que incentiva o crescimento do mercado informal e acaba causando insegurança para o consumidor”, diz Carol, começando, a partir daí, a fazer ponte entre os fornecedores e consumidores de produtos orgânicos através do BioEscritório, uma plataforma de apoio técnico, jurídico e de assessoria empresarial ao agricultor convencional na sua transição agroecológica, estendendo esses serviços aos produtores orgânicos locais do Cinturão Verde de Teresópolis. (Conheça, mais adiante, a importância de Teresópolis para a cultura ecológica da região)

O BioEscritório passou a ser, também, a voz de defesa do Direito ao Alimento LIVRE, que Carol assim resume:

Livre: ou seja, que naturalmente desperte o estado natural de saúde por sua densidade nutricional, servindo de instrumento para libertação de padrões mentais limitantes.

Limpo: orgânico, livre de agrotóxicos e substâncias altamente nocivas à saúde, como conservantes, glúten e realçadores de sabor, comumente encontradas nos alimentos industrializados.

Ético-Justo-Altruísta: livre de práticas de crueldade e violência de qualquer natureza; ancorados na compaixão e na gratidão.
Cultural: quando o alimento e as mãos que o manipulam emanam culturas e tradições, resgatando seu milagroso poder de autocura. 

Nesse caminhar, Carol Barros tornou-se uma prestigiada BioChef, entregando-se à prática da BioCulinária e ensinando a arte de apreciar o alimento local, orgânico e ético. 

Entre os diversos destaques de sua atuação nessa área, está o convite para fazer todo o catering vegano do músico e compositor Jack Johnson, quando se apresentou no Rio de Janeiro em novembro de 2017. Jack pediu que os contratados fossem adeptos da culinária consciente, livre de violência e maus tratos. Carol também foi convidada a capitanear um dos workshops do projeto Favela Orgânica, uma iniciativa pioneira que teve origem nas comunidades Babilônia e Chapéu Mangueira, na zona sul da cidade do Rio de Janeiro. Fruto do olhar sensível e da iniciativa de Regina Tchelly, tem como objetivos modificar a relação das pessoas com os alimentos, evitar o desperdício, cuidar do ambiente e mostrar que é possível acabar com a fome no Brasil. Outro destaque entre os projetos do Instituto BIO é o EcoChef Kids e os programas BIODETOX.
Consequência natural desse desenvolvimento, em 2014 foi lançado o projeto BioRestaurante na cidade de Teresópolis.
O BioRestaurante começou como um refeitório inspirado na cultura da BioCulinária, fornecendo alimentos preparados exclusivamente com ingredientes orgânicos, com alta densidade nutricional, apetitosos, éticos e, principalmente, deliciosos, fiéis aos princípios de Hipócrates, o Pai da Medicina

Faça do seu alimento sua medicina

Carol aprendeu a fazer e criar receitas que de fato alimentavam. E foi além: queria nutrir todos os sentidos, criando experiências únicas que abrissem o apetite das pessoas para o novo, o saudável e para a consciência da origem do alimento que colocamos às nossas mesa.

Em 2016, o BioRestaurante foi aprovado com a certificação orgânica SISOrg, do Ministério da Agricultura, através do Sistema Participativo de Garantia, através da ABIO – Associação de Agricultores Biológicos do Estado do Rio de Janeiro por meio de convênio com a Associação Agroecológica de Teresópolis ao qual foi associado por muitos anos, desempenhando papel importante em sua trajetória.

Ao longo destes anos, o Instituto BIO vem tecendo laços muito interessantes de amizade com os demais produtores da região, passando a ser também referência para demandas legais específicas sobre Sistemas Orgânicos de Produção e inclusão sanitária.

Hoje o Instituto BIO, que atua sob o guarda-chuva da BioCulinária, oferece um cardápio de ações concretas, que buscam despertar nas pessoas seu propósito original: o resgate de nossa humanidade altruísta e não-violenta.
Escola da BioCulinária: cursos e retiros com os princípios da BioCulinária, que nos desperta para o autoconhecimento e a autocura; capacitação se profissionais para atuar em serviços de alimentação com os pilares da BioCulinária – os BioChefs – que estão submetidos a certificação de qualidade e acompanhamento de suas atividades.

BioEscritório: apoio técnico e jurídico para a produção orgânica, preferencialmente com base agroecológica e certificação por meio do Sistema Participativo de Garantia, buscando garantir a qualidade orgânica da produção de seus associados.

BioRestaurante: consultoria em FoodService; treinamento e capacitação: A Arte de Servir.

Amorganico: CSA – Rede para uma Agricultura Comunitária (rural e urbana).

BioEmpório: loja virtual/física para escoamento de produtos feitos pelos agricultores
associados e BioChefs, encomendas destes produtos e buffet.

Jornadas BIO: Vivências no Brasil e no Exterior para nutrição integral: corpo, mente e espírito.

 

A importância de Teresópolis para a cultura ecológica do Estado

Localizada na Região Serrana Fluminense, Teresópolis é uma cidade privilegiada por contar com acesso às duas principais rodovias nacionais, a BR-040 (RJ-Brasilia) e a BR-110 (RJ-Bahia), além de estar muito próxima da cidade do Rio de Janeiro (100 km). Comporta 3 unidades de conservação ambiental (Parque Nacional da Serra dos Órgãos, Parque Estadual dos Três Picos e Parque Municipal das Montanhas), protegendo as nascentes do Rio Paquequer (famoso por ser citado na obra de José de Alecar “O Guarani”).

Com vasta diversidade biológica catalogada e um corredor natural de espécies, funciona como uma muralha verde, controlando a expansão imobiliária industrial e do agronegócio. Em contrapartida, vem se desenvolvendo, naturalmente, como um lugar com grande potencial para o crescimento da cultura ecológica e da produção orgânica com bases agroecológicas.

Tanto é que os maiores produtores orgânicos estão concentrados na região, como a Fazenda Vale das Palmeiras, do ator Marcos Palmeiras. É, ainda, a região de maior produção de hortaliças, por contar com uma rica abundância hidrográfica. O mercado conta com o abastecimento pontual desta cidade, mas os desafios ainda são reais, uma vez que a demanda é maior que a oferta.